Arquivo do Observatório Magnético de Tatuoca: preservação e digitalização do registro físico gerado entre 1957 e 2007

 

Este projeto busca organizar e preservar sob técnicas arquivísticas científicas, o registro físico do Arquivo do OGT do período compreendido entre 1957 e 2007, para sua posterior digitalização, sob os requerimentos técnicos indicados pela Faculdade de Geofísica, o Observatório Nacional, e a Rede de Observatórios Mundiais. O Observatório Geomagnético de Tautoca (OGT) foi instalado pelo Observatório Nacional (ON) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações na ilha de Tatuoca, baía do Guajará, Belém, em 1957. O OGT disponibiliza dados para a comunidade científica nacional e internacional, mas, a porção mais antiga deles (de 1957 a 2007) não está ainda em formato digital; portanto não podem ser aproveitados integralmente por esta comunidade. A partir de 2015, o instituto alemão GeoForschungsZentrum (GFZ) tem apoiado a geração de dados digitais em tempo real no OGT, no padrão internacional dos observatórios. No entanto, os dados coletados durante os 50 anos que vão entre 1957 e 2007, ainda não foram tratados arquivísticamente nem traduzidos no meio digital. Sendo informação pública de primeira importância nacional e internacional, este é um projeto que deve ter prioridade para as entidades guardiãs da Ciência e Tecnologia no nosso meio, pois tem a ver com atividades gerais no planeta que estão relacionadas com seu campo magnético e as condições de vida nele.